Reflexos econômicos de perdas quantitativas por abcessos vacinais em carcaças de bovinos abatidos no estado da Bahia, Brasil

  • Anna Carolina Grafling Lusa Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Itapetinga, BA
  • Marcos Paulo Gonçalves de Rezende Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Itapetinga, BA
  • Júlio César de Souza Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, Paranaíba, MS
  • Carlos Henrique Mendes Malhado Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Itapetinga, BA
Palavras-chave: bovinocultura de corte, carne, frigorífico, sanidade, vacina.

Resumo

Abcessos vacinais são fatores primordiais para condenar carcaças bovinas. Muitas vezes, a perda econômica pode comprometer a lucratividade tanto do frigorifico como do produtor rural. Objetivou-se com o presente estudo quantificar as perdas na produção de carne bovina por condenação de partes da carcaça devido à reação a aplicação de vacinas. O estudo foi realizado em parceria com o frigorífico localizado no município de Itapetinga (BA, Brasil). Foram avaliadas 5.225 carcaças de um montante de 7.033 animais abatidos (74,3% do total). As partes das carcaças excisadas devido à reação vacinal foram separadas, pesadas e posteriormente descartadas para a graxaria. O percentual de carcaças com alguma perda foi superior a 98%. O descarte médio por reação vacinal superou 0,500 kg/carcaça. A perda média do total dos animais abatidos alcançou 0,24% da carcaça. Somente no frigorifico estudado, houve prejuízo econômico da ordem de R$ 29.978,75 em apenas 13 dias de operação, ou, o equivalente em dólar de US$ 7.457,40 (câmbio de 14/01/2016). Conclui-se que os tecidos retirados das carcaças devido à formação de abcessos por reação vacinal, causam prejuízos significativos aos frigoríficos e produtores rurais.
Publicado
29-06-2016
Como Citar
Lusa, A., Rezende, M., Souza, J., & Malhado, C. (2016). Reflexos econômicos de perdas quantitativas por abcessos vacinais em carcaças de bovinos abatidos no estado da Bahia, Brasil. Boletim De Indústria Animal, 73(2), 165-170. https://doi.org/10.17523/bia.v73n2p165
Seção
SISTEMA DE PRODUÇÃO E AGRONEGÓCIOS